“É um erro popular muito comum acreditar que aqueles que fazem mais barulho a lamentarem-se a favor do público sejam os mais preocupados com o seu bem-estar” (edmund burke)

Um conhecido filósofo e orador irlandês dá o rumo dessa matéria através do seu sensato pensamento sociológico. E mantendo o perfil da proposta para seguir investigando os arautos, conforme explicamos na “Investigação sobre os Arautos I“, vamos ao assunto sem delongas

Um problema degradante e comum

Como resultado de uma inércia intelectual, o mundo moderno tende a valorizar quem costuma fazer sensacionalismo nas mídias ou impressiona com suas apresentações e bravatas. De tal forma que, mesmo quando os falsários utilizam argumentos sem lógica, sem informações precisas e desprovidos do mínimo comportamento normal, são creditados como pessoas dignas de confiança. Essa atitude tem um sabor especial quando a mídia busca desdourar a moral e a honra que ainda existem em algumas instituições, como a Igreja Católica por exemplo. Daí o empenho em buscar matérias desse porte, pois a escassez de lugares para desenvolver esse vil trabalho está cada vez maior…

Recentemente veio ao nosso conhecimento algumas matérias estranhas e mal resolvidas  sobre os Arautos do Evangelho. De acordo com os conhecimentos e a explicação dada pelo jornalista Carlos Orsi  durante o Pint of Science em Campinas (evento de divulgação científica),  esse tipo de notícia  poderia ser chamada de “falsa notícia”, o que é algo pior do que simplesmente uma notícia falsa. E para quem está se perguntando qual é a diferença, sucintamente dizemos que a notícia falsa é uma informação que não é verdade, já a falsa notícia é uma informação que, além de não ser verdade, tenta se impor como verídica. E o interessante é que  Orsi comenta que para fluir essas coisas precisam ter mídias tradicionais envolvidas… Ou ele é “profeta” ou então tem muita experiência da vida…

Promovendo a verdade

Então para clarificar a temática relativa aos arautos vamos mostrar o que podemos chamar de notícias verdadeiras. Com isso pretendemos afirmar que são mais do que simples verdades transmitidas para os internautas, pois elas além de passarem informações verdadeiras, tem como objetivo derrubar pelo exemplo e honestidade as vilezas das notícias falsas, como abaixo podemos atestar primeiramente por um pai de família argentino, que pelo discurso sentimos realmente querer o bem da sua prole.

De maneira idêntica a utilizada pelos dissimuladores das maravilhas da Igreja, muitas pessoas utilizaram o depoimento ou testemunho pessoal para defender a verdade e os Arautos do Evangelho. Com efeito, a diferença está no fato que as pessoas ligadas aos Arautos apresentam as verdadeiras características intrínsecas desse tipo de relato:a apresentação de uma experiência vivida com marcas de autoria da 1ª pessoa; relato dos acontecimentos com as pessoas envolvidas, os períodos de realização com um desenvolvimento contextual, além da transmissão das sensações e aprendizagens, juntamente com os seus rostos e nomes… Vejam mais um desses relatos, admirando o domínio e segurança dessa canadense desmentindo outra acusação contra os arautos.

E como pudemos atestar, vimos como se produz a verdade utilizando informações provindas de pessoas de países diferentes, em lugares distintos e que não fizeram conluio, pelo contrário, foram sinceras e buscaram expandir o bem para outros como você que acabou de passar por essa matéria.

Então, se você gostou,  faça conosco o trabalho da verdade compartilhando a matéria e deixando suas impressões nos comentários. E se desejar ver mais testemunhos verdadeiros acesse os canais no youtube do Colégio Arautos do Evangelho, Ex Arautos Famílias e Arautos: Ver, Julgar e Agir!